LINHA DO TEMPO

Aberturas da Homepage


01 de janeiro de 2015


01 de fevereiro de 2015


Nossa história começa na esplêndida e fabulosa Londres no ano de 2035. Em seguida discorrerá pelo sudeste, nordeste e centro-oeste do Brasil. O texto conta a trajetória da vida de um homem muito incomum. Nosso heroi é um cientista brilhante que, após várias realizações, descobre que fracassou no aspecto mais importante na vida de qualquer ser humano. O amor para Alan Fênix era uma utopia. Seu mundo fora projetado para ser matematicamente medido e calculado. Sem erros. Graças a um incrível elixir que Alan inventou, seu corpo envelhecia lentamente, preservando suas células e metabolismo de forma surpreendente. Aos 55 anos, ele dispunha de vigor e energia de um homem normal em seus 30 anos. Com isso, seus conhecimentos e experiências o tornaram lendário. Porém, nem toda ciência do mundo, será capaz de ajudar nosso cientista quando ele conhecer aquela que o ensinará a equação do amor.

 

TRILOGIA ALAN FÊNIX - JANELAS DA ALMA - LIVRO 1 - confira na aba OBRAS

 

Brasil, 01 de março de 2015


01 de abril de 2015


01 de maio de 2015


DANGER
Cuidado!
Se ela sempre fica do seu lado
Se ela mantém o quarto arrumado
Se ela cuida de seu machucado
Se ela tem tudo bem guardado
Cuidado!
Se ela é quieta por fora
Se ela sonha conhecer o mundo afora 
Se ela for uma boa nora
Se ela disser que te adora
Cuidado!
Se ela disser que só amou uma vez
Se para o segundo encontro ela disser talvez
Se por ela você cometer a estupidez
Na pior padaria da cidade virar freguês
Cuidado!
Se ela com raiva vira um furacão
Se ela te diz excessivamente "NÃO"
E mesmo assim ela te faz se sentir um sultão
Sempre deverás ser cauteloso então
Pois, este tipo de mulher já tem na mão 
A incrível poção para ganhar teu coração.

 

Liz Nascimento

01 de junho de 2015


01 de julho de 2015


Alan nunca conseguiu explicar a sua origem. Sua memória nunca despertou para nada de seu passado. Sempre sentiu que era diferente. Mas, até onde podia-se dizer, ele se considerava pelo menos um ser humano. Após dois anos inconsciente, Alan Fênix desperta para descobrir que um impostor assumiu sua vida. Pior que isso, ele engravidou sua namorada. Agora Alan fará de tudo para desvendar este mistério. Como alguém pôde se passar por ele e enganar sua amada Anabel e seu melhor amigo, Masuyo? Neste volume da trilogia Alan Fênix, nos aventuraremos num outro mundo. Em um plano espiritual complexo. A lenda continua...

 

TRILOGIA ALAN FÊNIX - APOCALIPSE - LIVRO 2 - confira em OBRAS

 

BRASIL, 01 de agosto de 2015


"Queria viajar sem traje e aterrissar noutro planeta, onde haja chão para deitar, orquídeas e violetas; nuvens como dossel e conexão sem senha. Onde dois corações batendo não seja violência; onde o cúpido não use instrumentos letais e a gente então dê um tempo nos pesadelos pessoais. Onde ninguém se arrependa nem menos nem mais - querer não é só andar pra frente, é não tentar voltar atrás. Eu não tô me despedindo - "i don't know how to say good bye", só tô deixando escrito o que da boca não sai."

JEAN LAWRENZ

 

01 de setembro de 2015


MEU LIVRO APAIXONADO

Eu nunca imaginei que um dia,
Eu viveria um amor tão grande assim!
Eu nunca pensei que um livro,
Pudesse brotar tanto amor em mim.

Eu já li vários semelhantes a ele
Mas, nunca com tão grandioso autor.
Quando eu entrei dentro dele
Fui abraçada por suas palavras de amor.

Cânticos aos meus ouvidos,
Foram suavemente reproduzidos.
Pensei até que havia morrido,
Pois, legiões de anjos eram percebidos.

Por sua eloquência doutrinária,
Logo eu quis ser uma missionária.
Levar ao mundo aquela boa-nova
Fosse em rimas, versos ou trova.

A portadora de um jubileu!
Alcançar todos os povos e nações
Assim com o pagão e o ateu!
Sensibilizar todos os corações.

O que aquele livro fez em mim,
Poderia ser registrado em pergaminho.
Endireitou minhas veredas,
Me ensinou o reto caminho.

Hoje eu não vivo mais a triste sina,
Meu livro apaixonado nunca termina.
Seu autor admirável me ensina,
A sempre confiar em tua lei
E a Ele eu sei que sempre seguirei.

Meu livro apaixonado é minha Bíblia
Que eu devoro constantemente.
É a na palavra de Deus pura e sublime,
Que ilumino a minha mente.
E em cuja minha alma se redime,
Para sempre fielmente.

Elizângela Eliz

 

Brasil, 01 de outubro de 2015


É tão extenuante esta caminhada...

Sinto que meus pés são como chumbo,

que se arrastam debilmente pelo mundo. 

Já sonhei que eu era a estatua 

dos pesadelos de Nabucodonosor.

Praga milenar decretada,

para trazer até a humanidade 

guerra, violência e dor.

Contudo, luto por remissão

pois sinto em minha alma

a dignidade da libertação.

O amor é libertador!

Apenas o amor, cura minha dor!

O mau não será capaz

de me recrutar para seus jogos mortais.

Dentro em mim reina a paz.

Pois, meu coração é infindo!

              E eu sei que ele não se perdeu!

       Também nunca deixou de ser TODO TEU

                      LIZ NASCIMENTO 

                01 de novembro de 2015


01 de dezembro de 2015


QUERIDO DIÁRIO...
És as minhas alvíssaras de glória,
não és princípio mas fim,
és toda a minha história,
e eu serei, em ti, toda a tua memória,
tudo aquilo que de mim restar
é em ti que irá morar.

Serás o responsável, o cuidador,
de quem eu sou agora
e preservarás todo o meu fervor,
assim que chegar a hora
e será com esse amor sem dor,
feito de enlevo e arte,
que fará de ti o esplendor
de um cristal que não se parte
que apenas se reparte…

És o diário dos sonhos sem dias certos
para serem escritos ou lembrados,
daqueles de quem me fiz incerto
e a quem, no estremecer das asas
de um qualquer insecto,
um dia alguém me lerá em ti…

És o sagrado profano relicário
das minhas vazias e insignificantes palavras
que falam de sonhos, tristezas e alegrias
que outros olhos porventura lerão como fantasias.

Cuida bem destas palavras inseguras
que não chegam a pretender ser poesia,
preserva-as ingênuas e imaturas,
esconde-lhes a amargura e a agonia,
sê o cuidador da obra que será
muito mais do que alguma vez pretendeu ser,
neste tempo vago de plenitude,
onde ainda me sinto dentro de uma doce infinitude,
onde ainda me encontro…

Aqui estou eu a despojar-me em ti
extraindo-me de dentro de mim,
entregando-me da forma incondicional
que apenas tu sentes e conheces,
deixando de ser apenas eu para sermos nós,
esvaziando-me, dando lugar a uma outra voz
que raras vezes antes se conheceu,
e tu, neste propósito do tempo desconhecido,
também um outro tu já terás sido
por cada nova palavra que eu escrever…

És o diário que alguém um dia irá, ou não, ler
e eu sou aquele alguém que ainda não fui
aquele outro que, mais tarde, em ti, serei lido!
Sou neste momento, um outro, contigo
e tu nunca serás o mesmo sem mim, diário amigo!

 

Vítor Costeira

01 de janeiro de 2016


SE BEM TE CONHEÇO...
Se bem te conheço...
ainda estás no vazio,
na escuridão,
no frio,
confirmando Einstein
e a Teoria da Relatividade,
gravitando,
suspensa,
inerte,
amorfa,
apática,
sufocando,
sem vontade,
vegetando,
distante…
principalmente, de ti!

Se bem te conheço…
assim ficarás,
até que Saturno
se aproxime mais do Sol,
até que Marte
esteja habitado,
ou até que alguém
queira sofrer contigo.
Não és uma estrela,
nem outro astro qualquer,
és mais do que isso,
és uma MULHER!

Fala,
escreve,
isso ajuda sempre…
não é solução mas ajuda!
Se sabes rezar, reza…
Se sabes cantar, canta…
Se sabes assobiar, assobia…
Bate palmas,
faz barulho,
chora,
grita,
faz de louca!
Faz qualquer coisa
mas não deixes ser pisada!
Mostra que existes!

Autor: Vítor Costeira

 

01 de fevereiro de 2016


01 de março de 2016


01 de abril de 2016


01 de maio de 2016


01 de junho de 2016


01 de julho de 2016

 

Expergiscere - Despertai

Estou no centro da cidade.
O dia é quente, mas, eu estou suando frio.
Meus braços parecem ter dez metros cada um. Nada no mundo além disso, explicaria por que eu não consigo escondê-los entre minhas roupas largas.
Eu me questiono o tempo todo o que vim fazer ali, em meio àquela multidão desgovernada que passa veloz, enquanto eu tento em vão, me esquivar dela.
Inútil!
Minha mente é um completo borrão.
Olho em volta à procurar pelo que eu nem imagino, ter o poder suficiente para me tirar de casa naquele dia.
Todos os dias eu tenho um motivo especial para não querer nada com a vida cotidiana.
O trabalho é algo que ainda me desliga os pensamentos vorazes.
Detenho-me diante de uma banquinha, onde estão vendendo diversos frascos chamativos.
Me aproximo com cautela, sentindo aquela estranha sensação de familiaridade com o local.
Ao olhar a primeira embalagem, solto-a imediatamente, pulando dois passos ligeiros para trás.
Os vidros se estilhaçam no chão, enquanto vejo os minúsculos cacos na aparência de gotas de lágrimas, se reunirem aos meus pés.
Sem saber o que pensar, verifico cada um dos inúmeros rótulos expostos, cada qual com o meu rosto em diversas expressões faciais diferentes.
Meus dedos tremem ao segurar um frasco com uma maravilhosa expressão sorridente em meu rosto enrugado. Estremeço com a certeza de que talvez, eu jamais sorria assim.
Passo os olhos assombrados pelo que via ali. Cada etapa da minha vida, infância, adolescência, fase adulta e velhice, estavam dentro daquelas diminutas embalagens.
O vendedor aproxima-se e me olha como se já me conhecesse a vida toda.
Pior do que isso! Sinto vontade de enforcá-lo quando ele me encara, como se me conhecesse melhor do que eu.
De repente, sem que eu saiba de onde veio, aparece uma multidão que começa a saquear a banca dos horrores e a carregar cada um dos produtos que levavam a minha imagem.
O horror se apodera de mim diante daquela cena bizarra. Várias pessoas abrem as tampas dos vidrinhos e bebem seus líquidos leitosos. Como se aquilo fosse algum tipo de remédio ou poção.
Neste instante, a consciência de que tudo aquilo, só poderia ser um sonho maluco, me invade totalmente.
Mesmo assim, eu não consigo entender, por que eu estou correndo desta multidão ensandecida, que agora, se parecem todos com malditos clones da minha aparência física.
Uns choravam, outros sorriam. Uns cantavam, outros sofriam... E todos insistindo para que eu tomasse daquele estúpido líquido também.
Quando eu pensava que não conseguiria mais escapar daqueles lunáticos, eis que do nada, eu desperto com o corpo gelado. Estava sobre a borda do parapeito, na varanda do meu apartamento.
Minha memória voa veloz ao recordar os vinte e oito comprimidos que eu engoli na tentativa vã de me matar.
Um tremor seguido de uma infeliz náusea, desequilibra meu corpo, no momento em que tento sair daquele maldito local.
Rodopio no ar sentindo meu corpo tombar para fora, no espaço imensurável do meu desespero.
Quebro um dedo ao tentar me agarrar as barras de ferro, para evitar aquela morte certa.
Que irônico!
Justamente no último instante, eu mudo de opinião sobre conhecer o além.
Inútil!
Meu corpo cai em queda livre do vigésimo quinto andar.
O que eu senti?
Nada!
Foi a viagem mais veloz que humanamente já se ouviu falar. Acho que foi mais rápido até do que a velocidade da luz.
Eu só estranhei ver meu próprio corpo se desintegrar no chão áspero, como se fosse inúmeros pedaços de vidro se convertendo em gotas d'água, aos pés de um transeunte que muito se assemelhava a mim.


"AGORA, VOCÊ ME PERGUNTA:
O que foi isso?
Uma crônica sobre sonhos e pesadelos?
Uma história de terror?
Um conto idiota?

Eu digo:
Não. Esta é a minha vida."

Anônimo(a)


POR AÍ

Outro dia eu fiz uma viagem.
Mas, não uma viagem qualquer ou comum.
Viajei para dentro de mim.
Visitei primeiramente meus medos, 
e descobri que eu não sou tão forte assim.
Havia muitos vultos e segredos,
E também o pior que há em mim.
No departamento medo criei um alçapão.
Guardei lá dentro um pouco de coragem,
E toda a ousadia que me veio à mão.
Então viajei no expresso da mente,
e descobri que sou mesmo doente.
Um pouco louca e pueril,
mas nada que me faça perder o brio.
Chegando na caixa de controle universal,
visitei meus alucinados transmissores.
Alterei minha configuração original,
eliminando assim algumas dores.
Acabei estragando o comando principal,
e nem me pergunte o que foi feito dos motores.
Viajei em seguida,

até minhas lembranças mais queridas.
Minha mãe, meu pai e meu jardim de margaridas.
Lembrei até de meu gato!
Do filho do padeiro da esquina.
Meu namoradinho nos tempos de menina.
E minha viagem acabou assim como começou.
Eu dei a volta em torno de meu EU-Mundo,
fui bem mais longe e profundo,
do que qualquer um que eu conheço.
Mesmo assim, neste mesmo lugar permaneço!

Liz Nascimento

Brasil, 01 de agosto de 2016